Cambury mais triste: nota de falecimento

Não faz muito tempo, faleceu o grande amigo caiçara Zé Roberto do Cambury, deixando a comunidade mais triste. Ontem, o Cambury perdeu uma de suas matriarcas, mulher guerreira, caiçara, esposa do falecido Sr. Miguel da Cruz e mãe da Rosa Laureana, Monca, Dica, Simão Branco, além de netos e netas. Dona Maria Laureana faleceu ontem (15/02/2016) e deixou muita saudade, muitas histórias, piadas e brincadeiras que só ela sabia contar. DESCANSE EM PAZ.

Abraço forte do amigo Violeiro a todos os familiares e amigos.

Anúncios

Caiçara é assassinado a tiros durante assalto em Cambury

Nesta madrugada de segunda-feira (06.abril) quadrilha de bandidos matou a tiros o caiçara de 74 anos, conhecido como Sr. Ailton, zelador do camping Ipê, desde a década de 1970. Não resistiu e morreu no local. O seu filho, de 20 anos, também foi baleado por criminosos após o assalto, ocorrido na praia do Cambury, em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo.

Preço da vida: quadrilha fugiu com R$ 7 mil

De acordo com a Polícia Militar, cerca de quatro homens invadiram  a casa onde eles moravam no bairro Camburi e fugiram levando dinheiro. A polícia informou que a ação teve início por volta da meia-noite, quando os assaltantes renderam o idoso e a esposa dele pedindo dinheiro. Após ser ameaçado, o homem entregou uma quantia de R$ 7 mil aos criminosos, que ainda o levaram para o lado de fora da casa e pediram mais dinheiro.
Ao perceber que o idoso já tinha entregado todo dinheiro que tinha guardado, a quadrilha efetuou dois disparos contra ele. O homem, que era proprietário de um camping na cidade, ficou ferido no tórax e no abdômen. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Ao ouvir os tiros, o filho do casal que dormia no imóvel, saiu da casa e se deparou com os assaltantes. Ele foi atingido por um tiro no braço e encaminhado para a Santa Casa da cidade. Após a ação, os criminosos fugiram em motocicletas levando o dinheiro roubado. Ninguém foi preso e o caso será investigado pela Polícia Civil.

Camping Ipê

O Ypê Camping foi fundado no final da década de 1970 pelo Sr. Airton em uma área descampada de 50.000 metros quadrados em frente à Praia Mansa de Cambury, com a ajuda da Elza Fontenelle plantaram árvores frutíferas por todo o camping (araçazeiro, goiabeiras, cajuzeiros etc.), criando o espaço agradável que se tem hoje com sombras e frutas, fizeram também o primeiro restaurante na Vila e banheiros com chuveiro quente aquecido por caldeira (hoje os chuveiros são elétricos e a agua vem direto das cachoeiras).

airton_ipe ipe1 ipe2

Convite: defesa dissertação – Estação Memória Cambury

Prezados amigos e amigas da Estação Memória Cambury!

Com prazer e alegria, publicamos este CONVITE, para que todos venham participar e assistir à Defesa Dissertação de Mestrado, cujo título é o seguinte:

Estação Memória Cambury: mediação cultural com os parceiros do rio que muda

 

Autor: EDISON LUÍS DOS SANTOS

Orientadora: Profa. Dra. IVETE PIERUCCINI

Nível: MESTRADO

 

DATA: 30 de setembro de 2013 – segunda-feira, 10:00 h.

LOCAL:

Escola de Comunicações e ArtesECA USP

Sala Egon Schaden, 1º andar,  Prédio Central

Mapa http://www3.eca.usp.br/localizacao

Conto com a presença de todos vocês, pois esta obra não é uma canoa de um só pau. Resultou do trabalho colaborativo, dos diálogos e trocas simbólicas compartilhadas ao longo de dois anos com os protagonistas (caiçaras e quilombolas) do Cambury.

Desde já, agradecemos a todos pelo esforço coletivo, apoio e amizade!!!

“Tudo vale a pena, se a alma não é pequena”. (Fernando Pessoa)

Beijos! E muita saúde a todos!

EDISON SANTOS – https://estacaomemoriacamburi.wordpress.com/

Oficina de Fotografia Pinhole no Cambury: resultados

A Estação Memória Cambury tem o prazer de compartilhar o BELÍSSIMO TRABALHO COLABORATIVO E EDUCATIVO desenvolvido pela Equipe do Mundo em Foco, ao longo de uma semana no Quilombo do Cambury, com a participação de jovens, crianças – caiçaras e quilombolas.

O trabalho foi fruto da Campanha: http://benfeitoria.com/clicknalata.-

Conforme publicamos no post anterior da https://estacaomemoriacamburi.wordpress.com/, o Projeto Click na Lata concretizou a Oficina de Fotografia Pinhole, com base no seguinte princípio:

“a oficina é um encontro lúdico, onde os alunos confeccionam primeiro uma Caixa Ótica (caixa de luz), e em seguida reciclam uma lata, transformando-a numa câmera fotográfica de orifício (câmera escura). Num laboratório improvisado, os próprios alunos “carregam”; após um passeio de experiências fotográficas pela comunidade, as crianças e jovens revelam, lavam e estendem num varal coletivo, suas fotos. A oficina é realizada com ‘pinceladas’ nas aulas que se aliam e alinham a qualquer componente curricular como Língua Portuguesa, História, Geografia, Matemática, Química, Física, entre outros. Ao final, é realizada uma exposição aberta aos pais, amigos e comunidade”.

Aproveitamos para felicitar a todos vocês, amigos do Cambury e a todos os parceiros envolvidos nesta AÇÃO CULTURAL – Oficina de Fotografia no Quilombo do Cambury. Um trabalho cultural criativo, participativo e educativo, que visa à apropriação de novos saberes informacionais e tecnológicos em grupos sociais vulneráveis social e economicamente, apesar de vivermos na “era da informação”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Parcerias envolvidas

Benfeitoria, Dorly Neto, Ozana Sousa E Sousa, Mauricio Alexandre, Vinicius Souza, Rodrigo Sousa E Sousa, Stephanie Modesto, Ecotrip Hostel Ubatuba Brazil, Liana Cunha, Memórias De Cambury (facebook), Estação Memória Cambury (site), Leandro Franco Minervino, Carol Garcez e demais colaboradores do Quilombo Cambury.

Fonte: Mundo em Foco.

Ação Cultural: começou a Oficina de Fotografia Pinhole

Ontem, dia 8 de Julho, teve início a Oficina de Fotografia Pinhole, no Quilombo do Cambury, e vai durar até o final de semana.

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.412848572164760.1073741875.279706808812271&type=1

 

O que é o Projeto?

Desde 2004, o projeto Click na Lata e Cia atende crianças e jovens da periferia de São Paulo, ensinando-lhes a arte da Fotografia. No começo acontecia na Vila Maria Alta, Centro Social Leão XIII, sob o nome de Projeto Olho Mágico. Depois, consolidou-se em 2007, na SAMOSI – Sociedade Amigos dos Moradores de Vila Santa Inês, sendo contemplado/subsidiado com os prêmios Criando Asas – Instituto Asas/Red Bull e Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias (2007/2008), Programa VAI – Valorização às Iniciativas Culturais – Prefeitura de São Paulo (2008/2009), Prêmio Cultura Viva – Ponto de Cultura (2009-2012) e Prêmio Laureate – Universidade Anhembi-Morumbi/Laureate Foundation (2012).

 

Passados 9 anos de projeto, o Click na Lata e Cia… atendeu mais de 1000 pessoas, principalmente crianças e jovens, além de adultos, também curiosos. Realizou mais de 15 exposições e pelo menos 10 workshops, realizados em lugares variados como a Fundação Casa, Casas de Cultura, ONGs e Diversos eventos coletivos e colaborativos. A ideia do projeto, além de propiciar o primeiro contato com a arte da fotografia pinhole (câmera escura), é ampliar a visão de mundo das pessoas, fazendo-as perceber o seu mundo e seu entorno de maneira diferente. Incentivamos no aluno a descoberta e questionamos o seu olhar, por meio das oficinas.

 

A oficina é um encontro lúdico, onde os alunos confeccionam primeiro uma Caixa Ótica (caixa de luz), e em seguida reciclam uma lata, transformando-a numa câmera fotográfica de orifício (câmera escura). Num laboratório improvisado, os próprios alunos “carregam” e depois de um passeio fotográfico pela comunidade, revelam , lavam e estendem num varal coletivo, suas fotos. A oficina é realizada com “pinceladas” nas aulas que se aliam e alinham a qualquer componente curricular como Língua Portuguesa, História, Geografia, Matemática, Química, Física, entre outros. Ao final, é realizada uma exposição aberta aos pais, amigos e comunidade.

 

Click na Lata e Cia… é portanto o “carro-chefe” do Coletivo Mundo em Foco, formado em 2004, por jovens engajados com questões sociais que envolvem a comunidade. O grupo trabalha diretamente com diversas tecnologias e temas como: tv, vídeo, cinema, internet, fotografia, artes plásticas, meio ambiente, teatro, literatura, entre outros.

 

De onde surgiu a ideia de uma Oficina no Quilombo?

 

De um amigo, fotógrafo e apoiador do projeto, o fotógrafo Márcio Ramos, antigo morador de Ubatuba, que visitou a comunidade por muitas vezes ainda sem energia elétrica. Ele sempre teve o desejo de realizar uma oficina de fotografia, mas os novos trabalhos e desafios o impediram de retornar. O Márcio, quando nos conheceu em 2009, logo sugeriu de realizar uma oficina lá. A vontade sempre foi grande e acreditamos que dessa vez, conseguiremos. Impulsionados pelo Hub Fellowship – Jovens Empreendedores Sociais, nós do Mundo em Foco, resolvemos topar o desafio de levantar uma grana e realizar um sonho que vem atravessando os anos.

 

A oficina visa registrar a comunidade do Quilombo do Cambury, ajudando na documentação histórica do local, retratando seus costumes, suas crenças, memórias, saberes, artes, geografia e seu povo. Buscamos um intercâmbio cultural, onde a troca de saberes se fará presente e necessária. É nesse intuito de escuta, olhar o próximo, sentir suas necessidades e expor seus sentimentos por meio da arte que queremos estar presentes na localidade.

A oficina começou ontem, dia 8 e vai durar a semana toda!!!

LINKS PARA ENTENDER MELHOR:

 

Começou a Oficina de Fotografia Pinhole na sede da Associação quilombola do Cambury. No detalhe, Catarina e os jovens da comunidade. Julho 2013.

 

 

 

Vídeo “Quilindo Quilombo”, de Davy Alexandrisky, na videoteca do Cambury

BIBLIOTECA DO QUILOMBO CAMBURY – http://tecnicabiblioteconomia.wordpress.com/

Sobre os quilombolas e o seu passado de luta. Assistam ao

Vídeo “Quilindo Quilombo”, de Davy Alexandrisky.

viaVídeo “Quilindo Quilombo”, de Davy Alexandrisky.

Produtos das Oficinas de Memória: Xilogravuras, Desenhos e Matrizes

APROPRIAÇÃO CULTURAL: ARTE, MEMÓRIA & INFORMAÇÃO

Os produtos culturais do Cambury são criações que expressam ideias, valores, atitudes e criatividade artística e que falam de memória e informação sobre o presente, o passado e o futuro, de origem popular (xilogravura como artesanato), os quais não tem a finalidade de abastecer o mercado de consumo, mas expressar os frutos da APROPRIAÇÃO SOCIAL DE SABERES, cujo valor simbólico e imaterial extrapolam os limites locais.

VISITE TAMBÉM A BIBLIOTECA DIGITAL DO CAMBURY: http://tecnicabiblioteconomia.wordpress.com/arte-xilogravura/